Rally de Portugal 2022: Kalle Rovanpera, um piloto de outro planeta, vence em ano de festa

O Rali de Portugal terminou após três longos dias que arrancaram em Coimbra com a primeira Super Especial e única novidade da prova de 2022.

O Rally de Portugal 2022 terminou após três longos dias que arrancaram em Coimbra com a primeira Super Especial e única novidade da prova de 2022. A vitória sorriu a Kalle Rovanpera, depois de ter enfrentado uma ronda pelos troços da zona de Arganil – Lousã, Góis, Arganil e Mortágua – e passagem por Lousada. Depois, uma sexta-feira infernal que provocou muitas baixas, entre elas, as de Sebastien Loeb e Ogier. Os cabeças de cartaz da 55ª do Rally de Portugal, que celebrava as 50 edições do Mundial de Ralis ficavam fora de prova demasiado cedo. Mas a prova não foi menos emocionante por causa disso!

Foi bonita a festa pá! Reuniram-se em Portugal lendas dos ralis como Michele Mouton, Walter Rohrl, Marcus Gronholm, Miki Biasion ou Ari Vatanen. Vieram até Portugal carros como o Audi Quattro S1 (ex-carro de Walter Rohrl) e o Fiat 131 Abarth (de Michele Mouton), Opel Ascona 400 (ex-Walter Rohrl) e o Alpine A110, Lancia Delta Integrale e Lancia 037, entre outros.

Todos passaram pelas SuperEspeciais e pelo troço de Fafe, com as lendas do Mundial a recuperarem tempos de antanho apesar der alguns já namorarem com o estatuto de octogenários. Como disse acima… foi mesmo bonita a festa deste Rally de Portugal 2022.

Rally de Portugal 2022 juntou Ogier e Loeb

Os dois grandes rivais nos últimos anos do Mundial de Ralis tinham-se encontrado no Monte Carlo. Ganhou Loeb, perdeu Ogier. Em Portugal, Ogier nunca esteve na liderança, Loeb deu recital em Arganil: ganhou a primeira passagem por Arganil e, de uma assentada, passou de 6º para 1º. 

Porém, a liderança foi efémera! Na segunda passagem pelo troço da Lousã, arrancou e uma mão cheia de metros depois, surpreendido pelos pneus frios e asfalto escorregadio, acertou numa guarda de ponte em cimento, arrancou a roda do Ford Puma Hybrid e acabava por ali a sua prova. Regressou no sábado em Super Rally, mas o turbo do motor do Puma entregou a alma ao criador e o nove vezes campeão do Mundo saiu, definitivamente, de cena. A M-Sport quis poupar o carro para a deslocação à Sardenha e o francês juntamente com Isabelle Galmiche regressaram a casa mais cedo.

Sebastien Ogier, vá lá saber-se porquê (embora sejam conhecidos os problemas do Yaris quando os pilotos levam duas rodas suplentes) enfrentou uma segunda ronda dos troços de sexta-feira com apenas um pneu suplente.

Os troços do Rally de Portugal 2022 estavam destruídos – todos os pilotos foram unânimes em dizer quer tinha sido o dia mais duro das suas carreiras – e o francês, inevitavelmente, furou duas vezes e ficou fora de prova.

Regressou no sábado e voltou a abandonar depois de um despiste pouco habitual no francês. Voltou no domingo, e escapou ao último lugar porque McRae Kimathi (Ford Fiesta Rally3) e Victor Calisto (Toyota Yaris GR) perderam ainda mais tempo.

Enfim, um fim de semana de Rally de Portugal 2022 para esquecer para Sebastien Ogier e Loeb.

Rali de Portugal aziago para Hyundai…

Jari Matti Latvala chegou a esfregar as mãos com a perspetiva de conseguir um pódio todo sarapintado com as cores da Toyota Gazoo Racing World Rally Team. Mas Dani Sordo “estragou” a festa ao finlandês e a Takamoto Katsuta.

Rali de Portugal

Bonito foi ver o espanhol da Hyundai celebrar o terceiro lugar conquistado na “Power Stage” e, imediatamente, correr para o Yaris GR do japonês e tentar consolá-lo com palavras muito bonitas que Katsuta agradeceu.

E, uma vez mais, foi Dani Sordo a segurar um resultado para a Hyundai com o terceiro lugar do espanhol na sua estreia no Mundial de 2022 com os carros híbridos. Isto porque os furos foram mais que muitos e os azares continuam a escolher como alvo Ott Tanak e Thierry Neuville.

O primeiro estava a andar bem, mas um furo na 6ª classificativa que obrigou à troca do pneu e um problema de transmissão atrasou-o para terminar no sexto lugar. O segundo, voltou a sofrer com o Hyundai i20 N Rally1. Fechou no quinto lugar a prova, mas passou pela perda de uma roda na ligação para o oitavo troço – que teve repercussões até final da etapa – e penou para chegar a esta posição.

… e também para a M-Sport Ford

No campo da Ford foi o descalabro. Para se perceber a dimensão do mesmo, o melhor foi Pierre Louis Loubet, no sétimo lugar. A equipa liderada por Richard Millener chegou a Portugal com cinco carros (Loeb, Breen, Greensmith, Fourmaux e Loubet) e saiu do Rally de Portugal 2022 com o sétimo lugar de Loubet, o abandono de Loeb e os muitos problemas que sofreram Breen, Greensmith.

O irlandês acabou o rali ao pé-coxinho e caiu na classificação até ao oitavo lugar, na frente de um Adrian Fourmaux que, pressionado, teve tanto medo da sua sombra que nunca se libertou do espartilho da obrigatoriedade de terminar a prova. Greensmith tinha aspirações a ficar no pódio, mas a caminho de Cabeceiras de Basto a suspensão cedeu e o britânico ficou de fora da prova, regressando no último dia para terminar no 19º lugar.

Toyota domina Rali de Portugal com Kalle Rovanpera

Quando começou o Rally de Portugal 2022, todos diziam que abrindo a estrada, dificilmente Kalle Rovanpera conseguiria repetir as vitórias da Suécia e da Croácia. Mas… o fenómeno finlandês de 21 anos decidiu o contrário. Andou depressa sem cometer o mínimo erro – ao contrário de outros bem mais experientes – e terminou o duríssimo dia de 6ª feira no segundo lugar a meros 13,65 segundos.

Andou todo o dia de sábado à procura do local certo para atacar e desferiu a estocada final em Amarante. Os 37,24 km da segunda passagem pelo maior troço do rali estavam húmidos e Evans “encaixou” 13,9 segundos perdendo a liderança para Rovanpera. E deixou ficar mais 1,7 segundos nas pedras da calçada da Super Especial do Porto.

No derradeiro dia, Rovanpera alargou a vantagem no primeiro troço, perdeu no segundo e saiu da primeira passagem por Fafe com 6,6 segundos de vantagem. A partir daqui foi o “Kalle Show” ou como ele disse na Croácia, “Full Send”!

Em Felgueiras aumentou a diferença para nove segundos e na “Power Stage”, a segunda passagem por Fafe, rubricou mais uma vitória em troços (foram 8 no total), reclamou os cinco pontos de bónus e deixou, nas cintas finais, Elfyn Evans a 15,2 segundos!

Uma exibição de luxo, mais uma, de Kalle Rovanpera que com os 30 pontos conquistados (na Croácia fez o mesmo e na Suécia foi segundo na “Power Stage”) tem 46 pontos de vantagem para Thierry Neuville, 68 pontos para Takamoto Katsuta, 69 para Ott Tanak e 70 para Elfyn Evans. Um domínio absoluto da Toyota e do jovem finlandês filho de Harri Rovanpera.

WRC2 ganho por Yohan Rossel, Armindo Araújo o melhor português

Com Andreas Mikkelsen fora com o motor partido do Skoda Fabia no final de sexta-feira, a luta pelo WRC2 acabou por não acontecer. Teemu Suninen dominou de forma clara com o seu Hyundai i20 N Rally2, deixando para trás o vencedor da Croácia, Yohan Rossell.

Mas, Suninen tem queda para dificultar a sua vida e na “Power Stage” quando tinha um minuto de avanço para Rossel, o finlandês despistou-se e teve de abandonar. Entregou, de bandeja, a segunda vitória da temporada a Yohan Rossel. 

Entre os portugueses neste Rally de Portugal 2022, Ricardo Teodósio ganhou a prova a contar para o Campeonato de Portugal de Ralis e Armindo Araújo o melhor dos portugueses nas contas finais.

Referir que no WRC Junior venceu Sami Pajari (Ford Fiesta Rally3), na Peugeot Rally Cup Ibérica ganhou Andres Marieyhara, seguido de Ernesto Cunha e Diogo Ruiloba e que na Toyota Gazoo Racing Iberian Cup a vitória ficou para Ricardo Costa, seguido de Miguel Campos e German Gomez.

Classificação final do 55º Rali de Portugal

  1. Kalle Rovanpera/Joinne Haltunen (Toyota GR Yaris Rally1), 3h44m19,2s;
  2. Elfyn Evans/Scott Martin (Toyota GR Yaris Rally1), a 15,2s;
  3. Dani Sordo/Candido Carreras (Hyundai i20N Rally2), a 2m17,3s;
  4. Takamoto Katsuta/Aaron Johnston (Toyota GR Yaris Rally1), a 2m19,4s;
  5. Thierry Neuville/Marijn Wydaeghe (Hyundai i20 N Rally2), a 2m37,8s;
  6. Ott Tanak/Martin Jarveoja (Hyundai i20 N Rally1), a 4m45,7s;
  7. Pierre Louis Loubet/Vincent Landais (Ford Puma Rally1), a 5m52,1s;
  8. Craig Breen/Paul Nagle (Ford Puma Rally1), a 7m03,4s;
  9. Adrien Fourmaux/Alexandre Coria (Ford Puma Raçly1), a 8m09,6s;
  10. Yohan Rossel/Valentin Sarreaud (Citroen C3 Rally2), a 13m48,9s;

Campeonato do Mundo de Ralis – Pilotos

  1. Kalle Rovanpera, 106 pontos;
  2. Thierry Neuville, 60 pts;
  3. Takamoto Katsuta, 38 pts;
  4. Ott Tanak, 37 pts;
  5. Elfyn Evans, 36 pts;
  6. Craig Breen, 34 pts;
  7. Sebastien Loeb, 27 pts;
  8. Gus Greensmith, 20 pts;
  9. Dani Sordo, 19 pts;
  10. Sebastien Ogier, 19 pts;

Campeonato do Mundo de Ralis – Construtores

  1. Toyota Gazoo Racing World Rally Team, 175 pontos;
  2. Hyundai Shell Mobis World Rally Team, 116 pts;
  3. M-Sport Ford World Rally Team, 94 pts;
  4. Toyota Gazoo Racing World Rally Team New Generation, 42 pts.
BANNER GUIA WRC