Volkswagen T-Cross – Presença Imprescindível

O Volkswagen T-Cross situa-se abaixo do modelo de Palmela, o T-Roc, e tenta fazer a diferença pelo estilo jovem e aventureiro com cores fortes e contrastantes

Volkswagen
B-SUV SUV
Volkswagen T-Cross 1.0 TSI 95cv Life

Inserido na estratégia SUV do construtor germânico, o Volkswagen T-Cross vem ocupar a base da gama, situando-se abaixo do T-Roc feito na Autoeuropa. Com dimensões similares, é possível que exista até alguma sobreposição entre o modelo base e o topo de gama do T-Cross e do T-Roc.

Regressando ao modelo mais recente, o VW T-Cross baseia-se na plataforma MQB A0, que partilha com o Polo e com os demais derivados do grupo Volkswagen. Está disponível com motores a gasolina e a gasóleo, respetivamente o 1.0 TSI e o 1.6 TDI com potências entre os 95 e os 115 cv. O nosso ensaio é com o conhecido 1.0 TSI a gasolina na especificação de 95 cv, acompanhado de uma caixa manual de cinco velocidades, muito provavelmente um dos mais vendidos no nosso país.

Devido ao incremento nas dimensões e, consequentemente, no peso (sensivelmente mais 100 kg do que o Polo equivalente) o motor tri cilíndrico não impressiona numa utilização estradista, até porque a caixa manual possui um escalonamento demasiado longo com alguns poços entre relações, situação que tenderá a agravar-se se viajarmos com lotação máxima e/ou mais bagagem. Em cidade o motor cumpre perfeitamente e proporciona uma condução despachada com uma direção que ajuda a desenvencilhar-se. Por aqui, onde se concentrou o nosso ensaio, terminamos com uma média de 6,5 l/100 km, sendo que no trânsito não verificámos quaisquer vibrações transmitidas aos comandos, fáceis de dosear e leves. Numa condução mais empenhada o rolamento da carroçaria é mais pronunciado mas o comportamento mantém-se estável, previsível e seguro, tal como se pretende e se exige para a esmagadora maioria da utilização.

Simples mas funcional

No que respeita ao interior, o VW T-Cross disponibiliza uma maior altura para os passageiros e uma bagageira de 455 l de capacidade que podem variar consoante a posição dos bancos traseiros, reguláveis, beneficiando a bagageira ou o espaço interior, que é de bom nível com quatro passageiros a viajarem sem dificuldades. As soluções de versatilidade interior no entanto ficam-se pelos já referidos bancos e pelo fundo falso no piso da bagageira, pois até os espaços de arrumação não abundam, com um compartimento no apoio de braços de pequena dimensão, dois porta-copos e uma zona para o smartphone. Tal como no Polo, o interior é inteiramente composto de plásticos duros, em prejuízo da qualidade percebida, mas que revelam rigor na montagem.

Atrás os passageiros contam com boa altura e ligações USB para carregamento de dispositivos. É de destacar também a existência de uma roda suplente, ainda que possa prejudicar os 455 l de capacidade da bagageira que conta com fundo ajustável em duas posições.

A versão de equipamento testada denomina-se Life e encontra-se a meio da gama do VW T-Cross. Oferece de série jantes de liga leve de 16″ e equipamentos de segurança tais como o cruise control adaptativo com controlo de distância, o sensor de ângulo morto, a ligação para smartphones (Apple Carplay e Andoid Auto) e era adicionalmente enriquecida com o recomendável pacote Life Plus que engloba ar condicionado automático, sensores de estacionamento frontais e traseiros e o sistema de navegação.

20 cv que justificam!

Nesta configuração o VW T-Cross pode ser adquirido por 22 311 € sendo que este valor pode ser inflacionado se forem adicionados opcionais úteis tais como os faróis LED (910 €), o carregamento sem fios para o telemóvel (443 €) ou o painel digital que dá pelo nome de Active Info Display (381 €). A versão de 115 cv, já com a caixa de seis velocidades custa mais 1100 €, justificados pelo aumento de potência e provável economia fruto do melhor escalonamento da caixa de seis velocidades.

Em suma, a Volkswagen conseguiu com este T-Cross colocar-se na corrida ao segmento B-SUV, sempre muito apetecível pelos volumes de vendas e pelas margens proporcionadas, com um produto bem executado e competente, ainda que não traga nada de radicalmente novo ao segmento. O preço, na sua versão base, está ligeiramente acima  da concorrência, o que pode ser justificado com uma presença mais jovem e radical, mas que facilmente dispara se dermos uso à lista de opcionais e o configurarmos ao nosso gosto, quer experimentar?

Ficha Técnica

Cilindrada

999 cm3

Cilindrada

175 Nm

Binário Máximo

95 cv

Potência

Cilindrada

11,5 s

0-100 KM/H

180 km/h

Velocidade Máxima

Cilindrada

5,8 l/100 km

Combinado

6,5 l/100 km

Registado

132 g/km

Emissões CO2

Cilindrada

21 318€

Base

22 311€

Ensaiado


Thumbs UpEspaço. Conforto. Condução em cidade.

Thumbs DownEscalonamento da caixa de velocidades. Equipamento de série pobre.