Na cidade, 500 km cheios de estilo ao volante do novo FIAT 500 elétrico! ?

É de facto na cidade que as potencialidades do novo Fiat 500 elétrico se destacam. Eficiente, ágil, muito tecnológico, e cheio de estilo!

Fiat
Citadino
Fiat 500C e La Prima

Relançado em 2005, o Fiat 500 tem sido o balão de oxigénio do construtor italiano. Mesmo após mais de 10 anos de comercialização e com poucas alterações significativas, o modelo continua a vender, e muito. Contudo, já era tempo de mudar radicalmente para se modernizar. Agora, a mudança foi tal que o pequeno citadino passou a ser 100% elétrico. Se há carros em que tal alteração fazia todo o sentido, o Fiat 500 é um deles!

Ao longo dos anos, a gama 500 foi crescendo. Conhecemos um 500L mais vocacionado para quem procura espaço a bordo, e ainda um 500X com um aspeto mais robusto e aventureiro. Entretanto, e com o objetivo de se manter atualizado, o modelo original recebeu uma versão híbrida que já tivemos oportunidade de ensaiar. Contudo, para o novo 500 estava reservada uma motorização 100% elétrica com dois níveis de capacidade de bateria. Fomos conhecê-lo na sua versão mais requintada denominada de “La prima” e ficamos agradavelmente surpreendidos.

Exterior modernizado

No exterior as alterações efetuadas no pequeno Fiat 500 agradam. Um ar mais moderno, tecnológico e evoluído com a presença de faróis LED com uma assinatura luminosa redonda que se separa entre o capot e o para-choques. Os piscas, também em LED assumem a forma de barbatana lateral, e dão início ao friso que acompanha a silhueta até quase aos faróis traseiros. Por baixo da janela traseira temos a identificação desta versão “La prima”, recordando que são apenas 500 unidades para Portugal.

No geral, este aspeto moderno em conjunto com jantes de generosas dimensões, e os logos 500 na frente em grande e FIAT na traseira resultam de uma forma muito interessante. A contribuir para uma silhueta muito “clean” está a ausência de puxadores físicos nas portas. Ao invés disso, a Fiat optou por colocar apenas uma concavidade onde se pressiona um botão que destranca a porta eletricamente. No interior existe também um botão redondo que tem a mesma função. Depois, nesta versão cabrio, a capota em lona com o logo FIAT é como que a “cereja no topo do bolo”.

(R)evolução interior

Pub ADN energy MRec

Mas se no interior há diferenças notórias, é no interior que se verificam as melhores, desde logo com a posição de condução. A posição mais baixa do banco e a coluna de direção com regulação fazem toda a diferença, naturalmente para melhor. Depois, a nova plataforma é maior, o que permite uma melhor habitabilidade. Por outro lado, mas mais uma vez de louvar, a qualidade dos materiais evoluiu significativamente. Nesta versão “La Prima” é até como se estivéssemos ao volante de um 500… premium!

À frente do condutor, para além de um volante em pele de dois braços com vários comandos, temos um painel de instrumentos totalmente digital com ecrã de 7″ e que permite algumas configurações. A consola central, nesta versão de topo, é marcada por um ecrã de 10,25″ com o novo sistema de info-entretenimento, onde se inclui naturalmente conectividade Apple CarPlay e Android auto. Por baixo um friso de botões físicos para a climatização, e um compartimento para o smartphone com carregamento por indução.

No interior do Fiat 500 elétrico temos uma melhor posição de condução, e muita tecnologia

A consola termina com os generosos botões de comando ca “caixa de velocidades”, já que não existe um túnel central entre condutor e passageiro da frente. O que existe é uma outra consola com o apoio de braço e que é deslizável. É aqui que encontramos, para além de um útil compartimento para objetos, os comandos físicos para os modos de condução, o travão de mão elétrico e o volume do sistema de info-entretenimento.

Detalhes, que fazem a diferença

Depois, lembram-se dos “easter eggs” do Jeep Renegade? Pois bem, no novo Fiat 500 também a Fiat decidiu brindar os proprietários com alguns destes detalhes espalhados um pouco por todo o lado. É o caso da imagem da cidade de Turim na base para os dispositivos móveis, ou a silhueta do antigo 500 com a frase “Made in Torino” no interior do puxador interior da porta, entre vários outros.

Mas há mais… já que os automóveis 100% elétricos têm de produzir algum ruído a velocidades reduzidas, porque não fazê-lo de uma forma original? O som que o Fiat 500 elétrico produz no arranque foi pensado, estudado e desenvolvido por um artista, com a sua própria voz. Na prática é uma espécie de valsa que podes ouvir aqui.

Por fim, também a insonorização deste Fiat 500 elétrico nesta versão cabrio é bastante satisfatória, recordando que as propostas elétricas têm o dom de destacar todos os outros ruídos, sejam eles aerodinâmicos, ou provenientes da montagem interior.

Elétrico, como se impõe

Mas vamos à outra grande diferença deste novo Fiat 500e, a propulsão. Estamos perante um modelo 100% elétrico que posiciona a sua bateria de 42 kWh por baixo do piso (37,8 kWh úteis), de forma a não comprometer nem habitabilidade nem espaço de bagageira, que já por si são ambos limitados. Se atrás o espaço é limitado para adultos, nomeadamente em altura, a bagageira conta com apenas 185 litros. O suficiente apenas para as compras do dia a dia. Afinal, este também não é nem pretende ser um carro de família ou para longas viagens. A autonomia também não o permite, embora seja mais do que suficiente para a cidade. Com consumos bastante aceitáveis a rondarem os 13 kWh/100 km, conseguimos percorrer facilmente mais de 250 km. Com muito cuidado, e numa condução estritamente citadina, muito provavelmente os 300 km são possíveis de alcançar.

power

Carregamentos & Bateria

O Fiat 500e tem uma bateria de 42 kWh e permite uma velocidade máxima de carregamento de 85 kW, o que significa que num posto de carregamento rápido, é possível carregar a totalidade em pouco mais de 30 minutos. Já numa tomada doméstica (2,3 kW) serão necessárias cerca de 18 horas. Nos nossos ensaios utilizamos uma solução intermédia da ADN Energy e conseguimos carregar a uma velocidade de 7,4 kW. Ou seja, no caso deste Fiat 500, conseguimos carregar a bateria em pouco mais de cinco horas!

Contudo, o baixo centro de gravidade fruto da colocação da bateria que lhe confere uma boa distribuição do peso, atribuem-lhe um comportamento dinâmico que por vezes convida a tirar partido da boa disponibilidade de binário. Os 118cv (87 kW) do motor elétrico têm energia para dar e vender na cidade. Não é naturalmente um MINI Cooper SE em termos dinâmicos, mas este Fiat 500 elétrico exibe uma estabilidade notável. Foi essa componente dinâmica que nos levou a terminar o nosso ensaio com um consumo médio de 15 kWh/100 km, embora como referido sejam possíveis valores ligeiramente inferiores.

Este Fiat 500 elétrico é também ele mais dinâmico, fruto da correta distribuição do peso da bateria

Para tal, é possível selecionar um dos outros modos de condução para além do “Normal”. São eles o “Range” e o “Sherpa”, com este último a limitar até a velocidade máxima para os 80 km/h. Para uma condução em cidade e melhor aproveitamento da travagem para regeneração da bateria, o melhor é o intermédio, o “Range”.

O preço base do Fiat 500e, que está disponível em três versões de carroçaria (berlina, cabrio e 3+1) é de 26 800€, 29 800€ e 28 800€ respetivamente. Apenas na versão berlina há uma motorização de 70 kW (95 cv) com um nível de equipamento base (Action) por 23 800€. No entanto, naturalmente que o requinte, e exclusividade, desta versão “La Prima” faz-se pagar com um preço final de 37 900€. Contudo, este está também recheado de equipamento de segurança e apoio à condução. É o caso da câmara de estacionamento, acesso sem chave, reconhecimento de sinais de trânsito, sistema de deteção de fadiga, regulação automática de máximos, travagem autónoma de emergência, monitorização do ângulo morto, e até condução autónoma de nível 2 com cruise control adaptativo e manutenção do carro na faixa de rodagem.

Reviver o passado…

Durante a nossa sessão fotográfica ao novo Fiat 500 elétrico tivemos uma visita curiosa. Inesperadamente, e quase sem percebermos vindo de onde, aproxima-se um velhinho Fiat 500 de 1967 para se juntar a nós. Digam lá qual seria a probabilidade de tal acontecer? Mas aconteceu!

O primeiro modelo esteve em comercialização entre 1957 e 1975, e também ele em várias versões. Só em 2007 viria a ser relançado, tendo tido um rápido sucesso que ainda hoje faz dele um dos principais modelos do construtor italiano, senão mesmo o mais importante.

Conclusão

Com muito equipamento tanto a nível tecnológico como de segurança e ajuda à condução, bons consumos e uma autonomia mais do que suficiente para a utilização urbana. O facto da habitabilidade, qualidade e posição de condução ter evoluído para melhor é também muito positivo. O Fiat 500 é assim uma das melhores propostas elétricas para a cidade com uma imbatível relação preço/autonomia.

Ficha Técnica

Cilindrada

220 Nm

Binário Máximo

118 cv

Potência

Cilindrada

9 s

0-100 KM/H

150 km/h

Velocidade Máxima

Cilindrada

13.3 kWh/100 km

Combinado

15 kWh/100 km

Registado

Cilindrada

29 800€

Base

37 900€

Ensaiado