Já conduzimos a nova Kia Ceed PHEV… 3,2 l/100 km!

A Ceed SW PHEV é um modelo importante para a Kia, não só pelo segmento em que se insere mas também numa altura em que o objetivo de reduzir emissões é… urgente!

Kia
Híbrido Segmento C
Kia Ceed SW PHEV Drive

Depois da Kia Optima PHEV, e pondo de parte o Kia Niro concebido de raiz para receber soluções híbridas, a Kia acaba de inserir no mercado a versão PHEV (híbrido plug-in) do Kia Ceed. Esta está disponível, para já, apenas na carrinha (Sportswagon). No breve contacto que nos foi possível, numa fase de desconfinamento q.b. mas em que se devem manter todas as medidas de prevenção e propagação da COVID-19, ficámos com uma certeza. A Kia Ceed SW PHEV não chegará para as encomendas...

O construtor sul-coreano tem sido um dos mais empenhados em conseguir uma gama de modelos e versões que lhe permita cumprir as exigentes normas anti-poluição. Pois esta Kia Ceed chega na altura certa, em que este tipo de propostas revela uma forte procura, principalmente para empresas e frotas. Com uma solução que não apresenta grandes novidades, visto que tem por base a já conhecida Kia Ceed com um esquema de propulsão idêntica à que encontramos no Kia Niro PHEV, não deixa de ser uma nova versão recém chegada ao mercado, razão suficiente para a pormos à prova.

Um Ceed, e mais ainda…

Esteticamente são poucas as diferenças que encontramos nesta versão PHEV da Kia Ceed Sportswagon. Umas jantes de design mais conservador e a tampa lateral para a tomada de carregamento, são os pontos que a diferenciam, para além do pequeno badge com a inscrição “eco plug-in”. Não sendo das carrinhas mais arrebatadoras do mercado, a verdade é que a Ceed SW apresenta linhas modernas, consensuais e que em nada desapontam. Para um aspeto mais “tchanam”, temos a versão Proceed, que não é mais do que um Ceed em forma de uma elegantíssima Shooting Brake.

Uma vez no interior, também pouco há a acrescentar às restantes variantes da já extensa família Ceed. Bons materiais na sua maioria, boa montagem, muito equipamento, e um interior ergonómico, acolhedor e com muito espaço é o que se destaca. Com a inclusão das baterias por baixo dos bancos traseiros, nem mesmo a capacidade da bagageira, relevante neste segmento, sofreu alterações. São 435 l que podem atingir os 1506 l com o rebatimento dos bancos. Atrás, o espaço é bom, até porque o túnel central é pouco pronunciado, o que acaba por ajudar na habitabilidade.

Boa habitabilidade e várias soluções de versatilidade, faltam apenas ligações USB para os bancos traseiros

À frente as diferenças concentram-se no painel de instrumentos com grafismo e informações referentes ao sistema híbrido e aos botões que comutam os modos de condução ou permitem desbloquear a tampa do carregamento. O sistema de info-entretenimento é apresentado no ecrã de 10,25″, onde é possível também verificar as várias informações sobre o sistema híbrido. No geral é um sistema simples, intuitivo e que dispõe de uma conectividade com smartphones, através do Apple CarPlay e Android auto, que não merece críticas, embora ainda não disponha do novo ecrã do construtor que já permite a configuração dos ecrãs e a visualização de diferentes tipos de informação, em simultâneo. Na unidade ensaiada não dispunha também de sistema de navegação, o que poderá dar jeito principalmente na pesquisa de postos de carregamento.

Híbrido a tempo inteiro

A Kia Ceed PHEV apresenta uma solução que combina a bateria de 8,9 kWh e o motor elétrico de 44,5 kW com o 1.6 l GDI a gasolina, anunciando uma potência combinada de 141 cv e 265 Nm de binário. A acompanhar temos uma caixa automática de dupla embraiagem de seis relações que nos permite assumir os comandos e mudar de relação quando assim o entendemos., ficando apenas a faltar as patilhas no volante, que podiam ter sido aproveitadas de igual forma para aumentar ou diminuir os níveis de regeneração, como aliás acontece com outros produtos do construtor. Ainda assim, e na maioria das situações, a agradabilidade de condução reina, com uma correta posição de condução.

Não existem esforços consideráveis por parte das unidades motrizes para locomover esta Ceed, em situações normais. Ou seja, os 141 cv chegam e sobram para despachar o serviço. Em estrada, muito antes de sentirmos necessidade de mais motor, damos pela reduzida eficácia dos pneus Michelin Energy Saver.

A suspensão e a direção sofreram uma ligeira adaptação, de forma a manter as mesmas características da restante gama Ceed, apesar da diferente distribuição de peso. Na prática o que sentimos é que a versão plug-in da Kia Ceed tem um ótimo compromisso entre conforto de rolamento e dinâmica com bons níveis de amortecimento. A direção é bem assistida e precisa.

O modo de condução “save” faz falta para reservar carga na bateria quando se pretende utilizar mais tarde

Ao serviço do condutor estão os diversos (quatro) modos de condução que ajudam a tirar partido do sistema híbrido. O modo automático gere, de forma automática, qual o tipo de propulsão mais indicado, de acordo com as condições da estrada e da carga das baterias. Já o modo híbrido mantém os dois motores em funcionamento, enquanto a carga de bateria o permitir. O modo elétrico naturalmente que privilegia o motor elétrico enquanto este tiver carga. Por último, o modo Sport permite uma resposta mais célere, ainda que na prática as diferenças sejam pouco notórias. Em falta está um modo que permita manter a carga da bateria utilizando apenas o motor a combustão, de forma a que esta possa ser utilizada mais tarde, por exemplo dentro do centro urbano.

Mais valias plug-in

A grande mais valia desta versão é sem dúvida a combinação dos dois motores e a poupança possível, se recorrermos ao carregamento das baterias. Quando pegamos na “nossa” Kia Ceed PHEV, esta marcava 689 km de autonomia do depósito a gasolina, e 56 km de autonomia para a carga total das baterias.

As primeiras centenas de quilómetros foram feitos com outro carregamento, e um consumo de combustível próximo de… zero(!) No terceiro carregamento, a autonomia em modo 100% elétrico já acusava os 61 km, possíveis de fazer adotando uma condução que naturalmente privilegie a regeneração. Com menos cuidados, diríamos que valores entre os 45 e os 50 km são sempre possíveis. Mais relevante ainda é perceber que, mesmo despreocupado e “sem carga na bateria” (a capacidade nunca é inferior a 5%), o motor elétrico consegue, através da constante regeneração, ajudar muito frequentemente. Resultado? Uma média final de 3,2 l /100 km!

Nem mesmo as cerca de 6h que demora a carregar a totalidade das baterias numa tomada doméstica nos parece excessiva, podendo ir até às 2h e alguns minutos numa tomada com maior amperagem.

Vantagens… para empresas!

Tal como acontece com todas as soluções híbridas plug-in, os benefícios fiscais são alguns, nomeadamente para empresas. Para além da possibilidade de dedução de 100% do IVA na aquisição, bem como o respeitante à aquisição de eletricidade para o carregamento, dispõem ainda de uma redução do IUC. Também as taxas de tributação autónoma a pagar são mais atrativas, e dependem do valor de aquisição. Com a campanha de lançamento do construtor, a Kia Ceed Sportswagon PHEV tem um preço para empresas de 27 490€ + IVA, o que coloca dentro do escalão mínimo de 5% para aplicação desta taxa.

Com a mesma campanha, mas para particulares, o preço da Kia Ceed PHEV inicia-se nos 36 090€ (despesas administrativas e Ecotaxas não incluídas).

Para ir ao encontro destes patamares de preços, a Kia optou por disponibilizar a Kia Ceed SW PHEV apenas com um nível de equipamento. Não é que não seja suficiente, mas fará com que a maioria dos clientes não possa optar por outro tipo de equipamento. O único opcional é a pintura metalizada. Até ao final do ano esta versão híbrida plug-in chegará também ao modelo XCeed.

Conclusão

Um produto que certamente não chegará para as encomendas. Uma carrinha com tudo o que é de facto relevante no segmento. Conforto, espaço, equipamento e consumos reduzidos. Tudo isto com a habitual garantia de 7 anos ou 150 000 km do construtor. A agradabilidade de condução destaca-se.

Ficha Técnica

Cilindrada

1580 cm3

Cilindrada

265 Nm

Binário Máximo

141 cv

Potência

Cilindrada

10,8 s

0-100 KM/H

195 km/h

Velocidade Máxima

Cilindrada

1,3 l/100 km

Combinado

3,2 l/100 km

Registado

29 g/km

Emissões CO2

Cilindrada

36 090€

Base

36 520€

Ensaiado


Thumbs UpAutonomia elétrica. Consumos. Conforto. Espaço.

Thumbs DownAusência de modo de poupança de bateria. Apenas um nível de equipamento.