GP da Grã-Bretanha: Do incrível acidente de Zhou Guanyu à estreia de Sainz

O GP da Grã-Bretanha foi tudo menos “normal” sendo o palco da primeira “pole position” e primeira vitória de Carlos Sainz Jr. na Fórmula 1.

O GP da Grã-Bretanha foi tudo menos “normal” sendo o palco da primeira “pole position” e primeira vitória de Carlos Sainz Jr. na Fórmula 1. Mas também da primeira vez de Nicholas Latifi na Q3, os primeiros pontos para Mick Schumacher e mais uma trapalhada da Ferrari nas decisões estratégicas. Por outro lado, Fernando Alonso (Alpine) deu sinal de continuar a ser uma “besta” competitiva e a Mercedes colocou um sorriso na cara de Lewis Hamilton.

GP da Grã-Bretanha

“É uma vitória muito especial num fim de semana muito especial. Sabia que esta era a minha oportunidade!” Palavras de Carlos Sainz depois de um fim de semana que não foi perfeito porque Lewis Hamilton fez a volta mais rápida, que pertencia ao espanhol, na derradeira volta.

GP da Grã-Bretanha

Sainz estreia-se a ganhar

Porém, Sainz tem de agradecer a Mattia Binotto estar a celebrar uma vitória saborosa, é verdade, mas que tem o dedo dos estrategas da Ferrari. O responsável pela Ferrari sublinhou que “era impossível parar os dois porque não havia tempo para Leclerc trocar pneus e ficar nos primeiros lugares.” Mais. Binotto diz que de nada valia ter o monegasco com pneus novos e ficar no quarto ou quinto lugar. Ou seja, o italiano pensava que a degradação dos pneus macios seria maior e que não haverá possibilidade de ultrapassar e ganhar posições.

GP da Grã-Bretanha

Assim, preferiram manter Leclerc em pista e esperar que houvesse um milagre. Enfim, mais um disparate da Ferrari que prejudica o piloto que mais perto estava de Verstappen no campeonato e perde uma dobradinha.

Ou seja, a Ferrari ajudou o piloto mais lento e o que está mais longe do título. Faz sentido? Claro que não e Binotto lá reconheceu que apesar de entender que as decisões estratégicas foram corretas, poderia ter feito melhor no caso de Leclerc. Sergio Perez provou isso mesmo ao parar para trocar de pneus e passar por Hamilton e Leclerc, reclamando o segundo lugar na frente do Mercedes do britânico. Leclerc ficou no quarto lugar e perdeu uma oportunidade de ganhar muitos pontos a um inferiorizado Max Verstappen neste GP da Grã-Bretanha .

GP da Grã-Bretanha

GP da Grã-Bretanha foi, verdadeiramente, caótico

A prova britânica começou com o pé esquerdo com o pavoroso acidente de Zhou Guanyu que capotou e andou muitos metros no asfalto e na escapatória de cabeça para baixo. Acabou por ficar entalado entre as redes de proteção e as barreiras. Os segundos que mediaram entre o acidente e a chegada do socorro deixou todos em suspenso acreditando que era um acidente feio. 

Suspiros de alívio, sorrisos nervosos e muitos aplausos sublinharam o sinal de que tudo estava bem com o piloto chinês da Alfa Romeo. Este saiu ileso de um acidente muito feio podendo agradecer ao esforço da FIA em incrementar as regras de segurança e ter imposto o Halo. Foi este dispositivo que, uma vez mais, salvou uma vida, desta vez a de Zhou Guanyu.

Bandeira vermelha, recomeço com muito tacticismo e, ainda, um “Safety Car”, contaram a história de um GP da Grã-Bretanha que levou Carlos Sainz a ganhar pela primeira vez na sua 150º corrida na F1, depois de ter feito a sua primeira “pole position” da carreira.

Um GP da Grã-Bretanha espetacular nas últimas voltas

Quando o “Safety Car” entrou em pista – depois de Esteban Ocon ficar parado na pista depois de passar por Verstappen – percebeu-se que a tarefa da Ferrari ficava sujeita ao erro e que a Red Bull não ia desperdiçar a oportunidade de tentar ganhar com Perez. Isto porque o carro de Verstappen, o mais rápido em pista, sofreu um furo e viu o equilíbrio do carro afetado por danos no fundo plano e na carroçaria.

Ora, a Ferrari voltou a errar e no recomeço, Sainz, Hamilton, Perez e Alonso tinham pneus macios e Leclerc duros já muito usados. A partir daqui foi a loucura e merece a pena ir procurar o final do Grande Prémio da Grã-Bretanha.

Perez passou por Hamilton e por Leclerc, enquanto Hamilton passou por Leclerc, reclamando um terceiro lugar muito saboroso. O britânico da Mercedes perdeu muito tempo numa paragem nas boxes e percebeu-se que na luta corpo a corpo, o Mercedes ainda não consegue ser eficaz. 

Mas o Mercedes evoluiu muito, Lewis Hamilton explicou porque é sete vezes campeão do mundo, mas a figura do dia acaba por ser Leclerc. O monegasco fez lembrar Fernando Alonso a passar Michael Schumacher na curva 130R do Circuito de Suzuka, ao passar por Lewis Hamilton em… Copse! Pelo lado de fora!

Com pneus degradados, bem tentou Leclerc defender-se de Sainz, Perez e Hamilton, mas acabou a manter Alonso à distância, que também tinha pneus mais frescos. Foi um festival de ultrapassagens – uma delas de Hamilton a Leclerc e Perez – que encheu as medidas dos adeptos da Fórmula 1.

Schumacher pontua pela primeira vez

A tentativa de Pierre Gasly passar entre George Russell e Zhou Guanyu, fê-lo acertar em cheio no Mercedes que por sua vez espoletou o voo invertido do Alfa Romeo, provocando o caos. 

Depois, Vettel acertou em Albon (que desistiu) e teve de ir à box reparar o carro, Ocon e Tsunoda também conhecerem vicissitudes que os atrasaram e quando chegou a bandeira vermelha houve, até, uma invasão de ativistas. 

O helicóptero sanitário levou Alex Albon para o hospital e Zhou Guanyu acabou libertado pelo hospital do circuito. 

GP da Grã-Bretanha

Tudo isto permitiu que Sebastien Vettel pontuasse e, sobretudo, Mick Schumacher terminasse no oitavo lugar e reclamar os primeiros pontos da carreira. A Haas fez uma excelente operação com Kevin Magnussen a terminar em décimo.

Na McLaren, Lando Norris pontuou ao ficar no sexto lugar atrás de Fernando Alonso, enquanto Daniel Ricciardo ficou no penúltimo lugar à frente de Yuki Tsunoda.

Classificação final

  1. Carlos Sainz (Ferrari), 52 voltas em 2h17m50,311s;
  2. Sergio Peresz (Red Bull), a 3,779s;
  3. Lewis Hamilton (Mercedes), a 6,225s;
  4. Charles Leclerc (Ferrari), a 8,546s;
  5. Fernando Alonso (Alpine Renault), a 9,571s;
  6. Lando Norris (McLaren Mercedes), a 11,943s;
  7. Max Verstappen (Red Bull), a 18,777s;
  8. Mick Schumacher (Haas Ferrari), a 18,995s;
  9. Sebastian Vettel (Aston Martin Mercedes), a 22,355s;
  10. Kevin Magnussen (Haas Ferrari), a 24,590s; etc. Classificados 14 pilotos

Classificação Mundial de Pilotos

  1. Max Verstappen, 181 pontos;
  2. Sergio Perez, 147 pts;
  3. Charles Leclerc, 138 pts;
  4. Carlos Sainz, 127 pts;
  5. George Russell, 111 pts;

Classificação Mundial de Construtores

  1. Red Bull, 328 pontos;
  2. Ferrari, 265 pts;
  3. Mercedes, 204 pts;
  4. McLaren, 73 pts;
  5. Alpine Renault, 67 pts;
  6. Alfa Romeo, 51 pts;
  7. Alpha Tauri, 27;
  8. Haas, 20 pts;
  9. Aston Martin, 18 pts;
  10. Williams, 3 pts.

Subscreve a nossa Newsletter "Livre Trânsito"!