F1 GP da Hungria: nova asneira da Ferrari e Verstappen a ganhar

O GP da Hungria acabou com Max Verstappen a ganhar de uma forma absolutamente inesperada graças a mais uma exibição horrível dos estrategistas da Ferrari

O GP da Hungria acabou com Max Verstappen a ganhar de uma forma absolutamente inesperada graças a mais uma exibição horrível dos estrategistas da Ferrari. Os italianos pensavam ter a prova disputada no Hungaroring no bolso… na sexta-feira! Primeiro duche de realidade aconteceu com a “pole position” de George Russell. Depois foi o descalabro completo que acabou com os dois carros italianos fora do pódio. Contas feitas, Charles Leclerc está a 80 pontos de Max Verstappen, ou seja, a mais de três vitórias!

A chuva veio baralhar a qualificação e o resultado apurado deixou todos boquiabertos. George Russell levou o Mercedes à “pole position”. E a equipa de Toto Wolff não fez a dobradinha porque o DRS do carro de Hamilton decidiu entrar em pane. A azia da Ferrari era evidente, mas os italianos acreditaram que uma Rennie trataria do assunto e dormiram confiantes na vitória, quiçá, dobradinha.

F1 HUNGRIA PODIO

Os Red Bull tinham conhecido muitas dificuldades na qualificação e Verstappen foi 10º e Perez ficou fora da Q3. O primeiro com problemas no MGU-K. Por isso os italianos acreditavam na recuperação de pontos face à equipa de Milton Keynes. Como estavam errados!

Os fatores que “tramaram” a Ferrari

Acreditar na vitória de Russell era um tiro no escuro. Possível porque o andamento dos Mercedes (beneficiando do tempo mais fresco na qualificação e corrida) foi muito consistente e veloz. 

A aposta mais acertada seria o sucesso de um Ferrari. Até porque em 22 das 36 edições do GP da Hungria, o vencedor da primeira linha da grelha. E porque as ultrapassagens no Hungaroring são complicadas. 

F1 HUNGRIA FERRARI

Dois fatores, entre outros, que já abordaremos, acabaram por ajudar Max Verstappen. Primeiro a inesperada baixa temperatura da pista, depois o vento que parece ajudar estes novos carros e os caprichosos pneus Pirelli.

O outro fator chama-se… asneira! E, uma vez mais, a Ferrari voltou a bater com a cabeça na parede no que toca à estratégia. E com escolhas que não lembram ao diabo!

F1 HUNGRIA REDBULL2

Red Bull fez tudo certo… a Ferrari fez tudo… errado!

Com George Russell a conseguir manter os Ferrari atrás de si, a surpresa foi ver os Red Bull com pneus macios. Era a escolha certa para este primeiro turno: Max Verstappen ganhou, imediatamente, dois lugares e apanhou os dois Alpine. Passou Alonso e depois Ocon e conseguia ter a aderência necessária para, tal como Russell, conseguir ter um excelente ritmo. George Russell também tinha largado com macios. Os Ferrari com… médios!

Sabia-se que os duros eram impraticáveis, não só porque eram mais lentos que os médios, mas também porque era difícil colocá-los à temperatura certa. Ora, ninguém os queria utilizar, daí a estretégia da Red Bull e da Mercedes.

Na hora de mudar de pneus, a Red Bull fez um “undercut” a Lewis Hamilton e ficou perto da tripla Russell, Leclerc e Sainz. A Ferrari usou a paragem as boxes para Leclerc passar por Sainz

F1 HUNGRIA FERRARI1

Nesta altura, todos estavam com pneus médios. Leclerc dominava sem grandes dificuldades uma corrida que parecia estar embrulhada para levar para casa antes das férias de verão.

O horror espalhou-se pelas bancadas, pelas boxes, pelos comentadores e pelos espetadores incrédulos: a Ferrari mandou parar Leclerc e montou-lhe pneus… duros! Era evidente que com as condições em termos de temperatura da pista tornariam impossível colocar os pneus na janela de temperatura. Como Verstappen parou segunda vez para montar mais um jogo de macios antes de Leclerc, a vantagem era evidente do neerlandês.

Passou por Leclerc, facilmente, mas cometeu um erro e fez um pião completo, perdendo, de novo, a posição para o piloto do Ferrari. Porém, como Leclerc continuava com os duros, Verstappen rapidamente passou pelo seu adversário e pisou a passadeira vermelha até à vitória, saindo do 10º lugar.

F1 HUNGRIA REDBULL

Verstappen com 80 pontos de vantagem

Contas feitas à vitória de Verstappen e ao sexto lugar de Leclerc, o campeão do mundo tem 80 pontos de vantagem. Uma diferença que encaminha o bicampeonato para os lados de Milton Keynes. Até porque a Mercedes está a dar passos consistentes e começa a incomodar a Ferrari. São mais de três vitórias de diferença quando estamos a nove provas do final da temporada 2022.

A Ferrari voltou a errar. E de uma vitória quase certa acabaram fora do pódio com Sainz em quarto e Leclerc em sexto. Entre eles ficou Sergio Perez, incapaz de seguir Verstappen.

F1 HUNGRIA MERCERDES 2

GP da Hungria: Mercedes a evoluir

A Mercedes repetiu na Hungria o resultado do Paul Ricard, mostrando evolução e mostrando que na segunda metade da temporada poderá incomodar a Ferrari. O que não são boas notícias para Maranello. Russell fez a “pole position” e acabou no terceiro lugar. Mas não tendo argumentos para resistir a um Lewis Hamilton que voltou a estar ao seu nível.

Hamilton passou por Russell a seis voltas do final, sem que o seu colega de equipa tenha pestanejado. Pelo caminho, rubricou a volta mais rápida da corrida. O sete vezes campeão do mundo e, agora, recordista de número de voltas lideradas num Grande Prémio, fez uma “corridaça”.

F1 HUNGRIA MERCEDES

O segundo lugar é uma boa recompensa para o esforço do britânico que começa a farejar as vitórias. Russell conquistou o quinto pódio da temporada e ambos os pilotos de Toto Wolff estão cada vez mais perto da Ferrari.

McLaren bateu a Alpine no GP da Hungria

O resultado não é extraordinário. E, contas feitas, o sétimo lugar de Lando Norris vale o mesmo dos 8º e 9º lugares de Esteban Ocon e Fernando Alonso. Daniel Ricciardo ficou, uma vez mais, fora dos pontos. Porém, no final, esta arrumação permitiu à formação de Zak Brown bater a equipa liderada por Otmar Szafnauer na luta pela liderança do segundo pelotão. 

F1 HUNGRIA MCLAREN

Contas feitas à primeira parte do campeonato, a Red Bull tem a vitória nos dois campeonatos alinhavados. Á Ferrari resta olhar para dentro, para os disparates que a equipa e os pilotos foram cometendo e tentar voltar mais forte. E esperar que a Mercedes não recupere muito do atraso que tem face à Red Bull e à Ferrari.

F1 HUNGRIA ALPINE 1

Classificação final do GP Hungria

  1. Max Verstappen (Red Bull RBPT), 53 voltas em 1h39m35,912s;
  2. Lewis Hamilton (Mercedes), a 7,834s;
  3. George Russell (Mercedes), a 12,337s;
  4. Carlos Sainz (Ferrari), a 14,579s;
  5. Sergio Perez (Red Bull RBPT), a 15,668s;
  6. Charles Leclerc (Ferrari), a 16,047s;
  7. Lando Norris (McLaren Mercedes), a 1m08,300s;
  8. Fernando Alonso (Alpine Renault), a 1 volta;
  9. Esteban Ocon (Alpine Renault), a 1 volta; 10º Sebastian Vettel (Aston Martin Mercedes), a 1 volta; Classificados 19 pilotos.

Campeonato do Mundo de Fórmula 1 – Pilotos

  1. Max Verstappen, 258 pontos;
  2. Charles Leclerc, 178 pts;
  3. Sergio Perez, 173 pts;
  4. George Russell, 158 pts;
  5. Carlos Sainz, 156 pts;
  6. Lewis Hamilton, 146 pts;
  7. Lando Norris, 76 pts;
  8. Esteban Ocon, 58 pts;
  9. Valtteri Bottas, 46 pts;
  10. Fernando Alonso, 41 pts;Classificados 19 pilotos

Campeonato do Mundo de Fórmula 1 – Construtores

  1. Red Bull Racing, 431 pontos;
  2. Ferrari, 334 pts;
  3. Mercedes, 304 pts;
  4. Alpine Renault, 99 pts;
  5. McLaren Mercedes, 95 pts;
  6. Alfa Romeo Ferrari, 51 pts;
  7. Haas Ferrari, 34 pts;
  8. AlphaTauri RBPT, 27 pts;
  9. Aston Martin Mercedes, 20 pts;
  10. Williams Mercedes, 3 pts.
close

Subscreve a nossa Newsletter "Livre Trânsito"!

Subscreve a nossa Newsletter "Livre Trânsito"!